28 de jan de 2011

Lagrima, Sangue, Arte


Amanhã quando cedo chegares
Não me beije a face
Não me conte mentiras
Dizendo-as verdade

Antes de com a lâmina
Cortar meus pulsos
Dilacerar-me a carne


                                          Não me olhe nos olhos
                                          Deixe-me em sangue, lágrima, arte
                                          Morro metade

                                          Se um dia me quiseres
                                          Queira-me por inteiro
                                          Mesmo que metade te baste
                                          Pra que meu peito seja pleno
                                                     Jardim vazio, pastagem.

Um comentário: