16 de dez de 2010

Coração de vidro

De meu coração de vidro emergiu uma flor
Não era cristalina, como se era de esperar
Trazia um rubror que espantava
Escondendo a face
Talvez por vergonha de estar despida
O meu coração preocupado
Taquicardico, desesperado
Palpitava, palpitava...

De uma doçura envolvente
Sorriu me mostrando os dentes
E com ele o mundo se iluminou
Habita nesse peito nova cor

Nenhum comentário:

Postar um comentário